Publicidade

[VUNESP] Questões de Português - Nível Médio - 2021

 Questões de Língua Portuguesa de Nível Média da Banca Organizadora VUNESP 2021 prova do concursos da Câmara de Piraciba.

[VUNESP] Questões de Português - Nível Médio - 2021

Língua Portuguesa

Leia o texto para responder às questões de números 01 a 07.

Humanoide perde a vez entre robôs 

Discretamente, o Google está reformulando seu ambicioso programa de robótica. Lançado em 2013, o projeto incluía duas equipes especializadas em máquinas que pareciam e se moviam como seres humanos. No entanto, pouco sobrou desse projeto. A proposta agora é de usar robôs mais simples, que possam aprender por si mesmos certas habilidades.

“O New York Times” foi o primeiro jornal a conhecer parte da tecnologia na qual a companhia vem trabalhando. Embora as máquinas não sejam tão atraentes visualmente quanto os robôs humanoides, os pesquisadores acreditam que a tecnologia sutilmente mais avançada no interior delas tem mais potencial no mundo real. Os robôs aprendem sozinhos habilidades como organizar um conjunto de objetos não familiares ou locomover-se no meio de obstáculos inesperados.

Muitos acreditam que o aprendizado de máquinas – e não a criação de novos equipamentos extravagantes – será a chave para o desenvolvimento da robótica voltada para manufatura, automação de depósitos de materiais, transporte e outras atividades.

Numa tarde no novo laboratório, um braço robótico pairava sobre uma lata cheia de bolas de pingue-pongue, cubos de madeira, bananas de plástico e outros objetos escolhidos ao acaso. Em meio a essa confusão, o braço robótico pegou com dois dedos uma banana de plástico e, com um suave movimento de punho, jogou-a numa lata menor que estava a vários centímetros de distância. Foi um feito admirável. Na primeira vez que viu os objetos, o braço não sabia como pegar uma única peça. Porém, equipado com uma câmera que “olhava” dentro da lata, o sistema aprendeu depois de 14 horas de tentativa e erro.

O braço mais tarde aprendeu a jogar itens nas latas certas, com 85% de acerto. Quando os pesquisadores tentaram executar a mesma tarefa, a média foi de 80%. Parece uma tarefa muito simples, todavia criar um código de computador para dizer a uma máquina como fazer isso é algo extremamente difícil.

O braço que joga objetos numa lata não é uma máquina desenhada pelos pesquisadores. Fabricado pela Universal Robots, ele é comumente usado em manufatura e outras atividades. O que o Google está fazendo é treiná-lo para que faça coisas que, de outro modo, ele não faria. “O aprendizado está nos ajudando a superar o desafio de construir robôs de baixo custo”, diz Vikash Kumar, supervisor do projeto.

(Cade Metz. The New York Times. Publicado pelo jornal O Estado de São Paulo em 14.04.2019. Tradução de Roberto Muniz. Adaptado)

01. (VUNESP/Português/Piracicaba) De acordo com o texto, o programa de robótica citado

(A) pretende criar robôs humanoides que sejam de baixo custo e visualmente chamativos a fim de atrair os consumidores.

(B) investe maciçamente em especialistas cuja única função é desenhar novas máquinas, como o braço que pega os objetos.

(C) está trabalhando códigos de computador para que os robôs adquiram por si mesmos certas habilidades.

(D) tem divulgado enfaticamente, por meio de diversos veículos de comunicação, os resultados obtidos nos laboratórios.

(E) vê com sucesso o braço que aprendeu a jogar objetos em uma lata, embora ele ainda não tenha superado os humanos nessa tarefa.

02. (VUNESP/Português/Piracicaba) A respeito do texto, é correto afirmar que o autor

(A) confronta diferentes pontos de vista de especialistas que atuam na área de robótica.

(B) emprega linguagem figurada para ressaltar sua admiração pelo mundo dos robôs.

(C) descreve, com ceticismo, os experimentos com os robôs não humanoides.

(D) é objetivo e claro ao transmitir aos leitores as informações sobre o programa de robótica.

(E) expõe sua opinião crítica a respeito da validade dos projetos desenvolvidos pelo Google.

03. (VUNESP/Português/Piracicaba) A expressão destacada pode ser substituída, sem alteração de sentido, pela expressão entre parênteses, em:

(A) Primeiro parágrafo: No entanto, pouco sobrou desse projeto. (Porque)

(B) Segundo parágrafo: Embora as máquinas não sejam tão atraentes... (Mesmo que)

(C) Quinto parágrafo: Quando os pesquisadores tentaram executar... (Se)

(D) Quinto parágrafo: Parece uma tarefa muito simples, todavia criar um código... (já que)

(E) Último parágrafo: O que o Google está fazendo é treiná-lo para que faça coisas... (ainda que)

04. (VUNESP/Português/Piracicaba) Assinale a alternativa em que o trecho do quarto parágrafo está reescrito preservando-se o sentido original do texto.

(A) Em meio a essa confusão, o braço robótico pegou

com dois dedos... => Em meio à negligência dos pesquisadores, o robô pegou com dois dedos

(B) ... com um suave movimento de punho, jogou-a numa lata... => movimentando suavemente o punho, atirou-a em uma lata

(C) ... jogou-a numa lata menor que estava a vários centímetros de distância. => jogou-a a uma certa distância em uma lata de vários centímetros

(D) ... o braço não sabia como pegar uma única peça. => o braço somente conseguia pegar uma peça por vez

(E) Porém, equipado com uma câmera que “olhava”

dentro da lata... => Mas, equipado com uma câmera que, dentro da lata, “olhava” ao redor 


05. (VUNESP/Português/Piracicaba) Considere a frase do segundo parágrafo.

“O New York Times” foi o primeiro jornal a conhecer parte da tecnologia na qual a companhia vem trabalhando.

Em conformidade com a regência padrão da língua portuguesa, o termo destacado pode ser substituído por:

(A) estar a par em

(B) estar interessado com

(C) ter acesso de

(D) informar-se com

(E) inteirar-se de

06. (VUNESP/Português/Piracicaba) Considere as frases elaboradas a partir das ideias do texto.

• A empresa tem um ambicioso programa de robótica e decidiu reformular esse ambicioso programa.

• Alguns robôs lidam com objetos não familiares, e os pesquisadores analisam como organizam esses objetos.

De acordo com o emprego e a colocação dos pronomes estabelecidos pela norma-padrão, os trechos em destaque podem ser substituídos por:

(A) reformulá-lo; os organizam

(B) reformulá-lo; lhes organizam

(C) o reformular; organizam-lhes

(D) reformular-lhe; os organizam

(E) lhe reformular; organizam-nos

07. (VUNESP/Português/Piracicaba) Assinale a alternativa correta quanto à concordância verbal padrão.

(A) Em 2013, participando do projeto, existia duas equipes especializadas em robôs humanoides.

(B) “O New York Times”, depois de entrevistar os pesquisadores, noticiaram os avanços do projeto.

(C) Para os integrantes do programa, impõe-se o desafio de construir robôs a baixo custo.

(D) O aprendizado das máquinas, segundo especialistas, serão a solução para a robótica voltada para a manufatura.

(E) O braço robótico, que manipulavam as bananas de plástico, gastou horas em tentativas, acertos e erros.

Leia a tira para responder às questões de números 08 e 09.



(O melhor de Calvin. Bill Watterson. O Estado de S. Paulo, 06.04.2019)

08. (VUNESP/Português/Piracicaba) Analisando a tira, é correto afirmar que o garoto

(A) se impressionou com a altura das girafas e fez pernas de pau para observar objetos e familiares da mesma perspectiva desses animais.

(B) se inspirou no comportamento das girafas para pegar o pote de Bis, os quais também considera saborosos e difíceis de alcançar.

(C) aprendeu que as girafas, diferentemente de outros animais, encontram alimentos variados e nutritivos nas florestas.

(D) está proibido pelo pediatra de comer alimentos com açúcar, por isso sua mãe guardou o pote de chocolate em cima do armário.

(E) não gosta de estudar sobre a vida dos animais, mas serviu-se das informações acerca das girafas para inventar brincadeiras.

09. (VUNESP/Português/Piracicaba) No primeiro quadrinho, os termos peculiares e adequada podem ser substituídos, sem alteração de sentido e atendendo à norma-padrão, respectivamente, por:

(A) misteriosos e adestrada.

(B) elegantes e compatível.

(C) exóticos e perfeita.

(D) singulares e adaptada.

(E) agressivos e ajustada.

 

10. (VUNESP/Português/Piracicaba) Leia o texto.

Quando você se refere alguém dizendo “maria vai com as outras” significa que a pessoa não tem opinião própria. Mas quem foi essa primeira Maria?

Para o pesquisador Brasil Gerson, a expressão tem origem no século 19 com a chegada da família real portuguesa.

A mãe de Dom João VI, a rainha Maria I, quem

muitos atribuíam o nome de “A Louca”, costumava passear margens do rio Carioca, acompanhada de suas damas de companhia, e o povo, vendo essa cena, comentava: “Maria vai com as outras”.

(Ernani Fagundes. Aventuras na História, novembro de 2005. Adaptado)

De acordo com a norma-padrão, as lacunas desse texto devem ser preenchidas, respectivamente, por:

(A) a ... a ... às

(B) a ... à ... às

(C) a ... a ... as

(D) à ... a ... às

(E) à ... à ... as

Publicidade

Gabarito - Língua Portuguesa - Ensino Médio - VUNESP - 2021


1 - C 2 - D 3 - B 4 - B 5 - E 6 - A 7 - C 8 - B 9 - D 10 - A




Caderno de Educação

Confira:

👉 Curso de Psicoterapia


Compartilhe Compartilhe Compartilhe
Compartilhe em sua s Redes Sociais!


Sobre:
O Blog Caderno de Educação visa compartilhar conteúdo e proporcionar a troca de material e experiências com os usuários. Todas as matérias publicadas são informativas ou sugestivas e não devem ser utilizadas em substituição a informação especializada de um profissional habilitado.

Postagens Sugeridas, Relacionadas e Anúncios

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.
 
Sobre | Termos de Uso | Política de Cookies | Política de Privacidade | LexiWiki

João 3 16 Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.