Publicidade

A ELA, Machado de Assis

A ELA

Quem és tu que me atormentas
Com teus prazenteiros sorrisos?
Quem és tu que me apontas
As portas dos paraísos?
Imagem do céu és tu?
És filha da divindade?
Ou vens prender em teus cabelos
A minha liberdade?
“Vê V. Exa., Sr. presidente, que nesse tempo, o nobre deputado era inimigo de todas as leis
opressoras. A assembléia tem visto como ele trata as leis do metro.”
Todo o resto do discurso foi assim. A minoria protestou. Luís Tinoco fez-se de todas as cores, e a
sessão acabou em risada. No dia seguinte os jornais amigos de Luís Tinoco agradeceram ao
adversário deste o triunfo que lhe proporcionou mostrando à província “uma antiga e brilhante face do
talento do ilustre deputado”. Os que indecorosamente riram dos versos, foram condenados com estas
poucas linhas: “Há dias um deputado governista disse que a situação era uma caravana de homens
honestos e bons. É caravana, não há dúvida; vimos ontem os seus camelos”.
Nem por isso, Luís Tinoco ficou mais consolado. As cartas ao Dr. Lemos começaram a escassear, até
que de todo cessaram de aparecer. Decorreram assim silenciosos uns três anos, ao cabo dos quais o
Dr. Lemos foi nomeado não sei para que cargo na província onde se achava Luís Tinoco. Partiu.
Apenas empossado do cargo, tratou de procurar o ex-poeta, e pouco tempo gastou recebendo logo um
convite dele para ir a um estabelecimento rural onde se achava.
– Há de me chamar ingrato, não? disse Luís Tinoco, apenas viu assomar à porta de casa o
Dr. Lemos. Mas não sou; contava ir vê-lo daqui a um ano; e se lhe não escrevi... Mas que tem doutor?
está espantado?
O Dr. Lemos estava efetivamente pasmado a olhar para a figura de Luís Tinoco. Era aquele o poeta
dos Goivos e Camélias, o eloqüente deputado, o fogoso publicista? O que ele tinha diante de si era um
honrado e pacato lavrador, ar e maneiras rústicas, sem o menor vestígio das atitudes melancólicas do
poeta, do gesto arrebatado do trbuno, - uma transformação, uma criatura muito outra e muito melhor.
Riram-se ambos, um da mudança, outro do espanto, pedindo o Dr. Lemos a Luís Tinoco lhe dissesse
se era certo haver deixado a política, ou se aquilo eram apenas umas férias para renovar a alma.
– Tudo lhe explicarei, doutor, mas há de ser depois de ter examinado a minha casa e
minha roça, depois de lhe apresentar minha mulher e meus filhos...
– Casado?
– Há vinte meses.
– E não me disse nada!
– Ia este ano à corte e esperava surpreendê-lo... Que duas criancinhas as minhas... lindas
como dois anjos. Saem à mãe, que é a flor da província. Oxalá pareçam também com ela nas
qualidades de dona de casa; que atividade! que economia!...
Feita a apresentação, beijadas as crianças, examinado tudo, Luís Tinoco declarou ao Dr. Lemos que
definitivamente deixara a política.
– De vez?
– De vez.
– Mas que motivo? desgostos, naturalmente.
– Não; descobri que não era fadado para grandes destinos. Um dia leram-me na
assembléia alguns versos meus. Reconheci então quanto eram pífios os tais versos; e podendo vir
mais tarde a olhar com a mesma lástima e igual arrependimento para as minhas obras políticas,
arrepiei carreira e deixei a vida pública. Uma noite de reflexão e nada mais.
– Pois teve ânimo?...
– Tive, meu amigo, tive ânimo de pisar terreno sólido, em vez de patinhar nas ilusões dos
primeiros dias. Eu era um ridículo poeta e talvez ainda mais ridículo orador. Minha vocação era esta.
Com poucos anos mais estou rico. Ande agora beber o café que nos espera e feche a boca, que as

moscas andam no ar.

A ELA, Machado de Assis


Por Blog Caderno de Educação


Compartilhe Compartilhe Compartilhe
Compartilhe em suas Redes Sociais!


Sobre:
O Blog Caderno de Educação visa compartilhar conteúdo e proporcionar a troca de material e experiências com os usuários. Todas as matérias publicadas são informativas ou sugestivas e não devem ser utilizadas em substituição a informação especializada de um profissional habilitado.


0 comentários:

Postar um comentário

.
Tecnologia do Blogger.

 

João 3 16 Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

voltar