Poema Noiva da Agonia, de Cruz e Sousa


Poema Noiva da Agonia, de Cruz e Sousa. João da Cruz e Sousa (Nossa Senhora do Desterro, 24 de novembro de 1861 — Curral Novo, 19 de março de 1898) foi um poeta brasileiro. Com a alcunha de Dante Negro ou Cisne Negro, foi um dos precursores do simbolismo no Brasil.

Poema Noiva da Agonia, de Cruz e Sousa.


NOIVA DA AGONIA


 Trêmula e só, de um túmulo surgindo,
 Aparição dos ermos desolados,
 Trazes na face os frios tons magoados
 De quem anda por túmulos dormindo...

 A alta cabeça no esplendor, cingindo
 Cabelos de reflexos irisados,
 Por entre auréolas de clarões prateados,
 Lembras o aspecto de um luar diluindo...

 Não és, no entanto, a torva Morte horrenda,
 Atra, sinistra, gélida, tremenda,
 Que as avalanches da Ilusão governa...

 Mas ah! és da Agonia a Noiva triste
 Que os longos braços lívidos abriste
 Para abraçar-me para a Vida eterna! 

Cruz e Sousa
Broquéis



Por blog caderno de educação


Compartilhe Compartilhe Compartilhe Compartilhe Compartilhe .
Compartilhe em suas Redes Sociais!


Sobre:
O Blog Caderno de Educação visa compartilhar conteúdo educacional e proporcionar a troca de material didático e experiência entre profissionais da área de educação e, também, disponibilizar material educativo para estudantes, candidatos a concursos públicos, vestibular e ENEM das mais diversas áreas do conhecimento como literatura, história, gramática, geografia, biologia, matemática, física, informática, pedagogia e outras, além de notícias.

Postagens relacionadas, sugeridas e anúncios

0 comentários:

Postar um comentário

.

 

João 3 16 Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.