Exercícios sobre Clarice Lispector: conto “Amor”


Leia o fragmento do conto “Amor”, de Clarice Lispector, retirado do livro Laços de família, para responder às questões a seguir. 

Caderno - Exercícios sobre Clarice Lispector: conto “Amor”

Um pouco cansada, com as compras deformando o novo saco de tricô, Ana subiu no bonde. Depositou o volume no colo e o bonde começou a andar. Recostou-se então no banco procurando conforto, num suspiro de meia satisfação. Os filhos de Ana eram bons, uma coisa verdadeira e sumarenta. Cresciam, tomavam banho, exigiam para si, malcriados, instantes cada vez mais completos. A cozinha era enfim espaçosa, o fogão enguiçado dava estouros. O calor era forte no apartamento que estavam aos poucos pagando. Mas o vento batendo nas cortinas que ela mesma cortara lembrava-lhe que se quisesse podia parar e enxugar a testa, olhando o calmo horizonte. Ana dava a tudo, tranquilamente, sua mão pequena e forte, sua corrente de vida. [...] No fundo, Ana sempre tivera necessidade de sentir a raiz firme das coisas. E isso um lar perplexamente lhe dera. Por caminhos tortos, viera a cair num destino de mulher, com a surpresa de nele caber como se o tivesse inventado. O homem com quem casara era um homem verdadeiro, os filhos que tivera eram filhos verdadeiros. Sua juventude anterior parecia-lhe estranha como uma doença de vida. Dela havia aos poucos emergido para descobrir que também sem a felicidade se vivia: abolindo-a, encontrara uma legião de pessoas, antes invisíveis, que viviam como quem trabalha — com persistência, continuidade, alegria. [...] O bonde se arrastava, em seguida estacava. Foi então que olhou para o homem parado no ponto. A diferença entre ele e os outros é que ele estava realmente parado. De pé, suas mãos se mantinham avançadas. Era um cego. O que havia mais que fizesse Ana se aprumar em desconfiança? Alguma coisa intranquila estava sucedendo. Então ela viu: o cego mascava chicles... Um homem cego mascava chicles. [...] Ele mascava goma na escuridão. Sem sofrimento, com os olhos abertos. O movimento da mastigação fazia-o parecer sorrir e de repente deixar de sorrir, sorrir e deixar de sorrir — como se ele a tivesse insultado, Ana olhava-o. E quem a visse teria a impressão de uma mulher com ódio. Mas continuava a olhá-lo, cada vez mais inclinada — o bonde deu uma arrancada súbita jogando-a desprevenida para trás, o pesado saco de tricô despencou-se do colo, ruiu no chão — Ana deu um grito, o condutor deu ordem de parada antes de saber do que se tratava — o bonde estacou, os passageiros olharam assustados. Incapaz de se mover para apanhar suas compras, Ana se aprumava pálida. Uma expressão de rosto, há muito não usada, ressurgia-lhe com dificuldade, ainda incerta, incompreensível. O moleque dos jornais ria entregando-lhe o volume. Mas os ovos se haviam quebrado no embrulho de jornal. Gemas amarelas e viscosas pingavam entre os fios da rede. O cego interrompera a mastigação e avançava as mãos inseguras, tentando inutilmente pegar o que acontecia. O embrulho dos ovos foi jogado fora da rede e, entre os sorrisos dos passageiros e o sinal do condutor, o bonde deu a nova arrancada de partida. Poucos instantes depois já não a olhavam mais. O bonde se sacudia nos trilhos e o cego mascando goma ficara atrás para sempre. Mas o mal estava feito. A rede de tricô era áspera entre os dedos, não íntima como quando a tricotara. A rede perdera o sentido e estar num bonde era um fio partido; não sabia o que fazer com as compras no colo. E como uma estranha música, o mundo recomeçava ao redor. O mal estava feito. Por quê? Teria esquecido de que havia cegos? A piedade a sufocava, Ana respirava pesadamente. Mesmo as coisas que existiam antes do acontecimento estavam agora de sobreaviso, tinham um ar mais hostil, perecível... O mundo se tornara de novo um malestar. [...] Só então percebeu que há muito passara do seu ponto de descida. Na fraqueza em que estava, tudo a atingia com um susto; desceu do bonde com pernas débeis, olhou em torno de si, segurando a rede suja de ovo. Por um momento não conseguia orientar-se. Parecia ter saltado no meio da noite. [...] Andava pesadamente pela alameda central, entre os coqueiros. Não havia ninguém no Jardim. Depositou os embrulhos na terra, sentou-se no banco de um atalho e ali ficou muito tempo. A vastidão parecia acalmá-la, o silêncio regulava sua respiração. Ela adormecia dentro de si. [...] Mas quando se lembrou das crianças, diante das quais se tornara culpada, ergueu-se com uma exclamação de dor. Agarrou o embrulho, avançou pelo atalho obscuro, atingiu a alameda. Quase corria — e via o Jardim www.pciconcursos.com.br 7 em torno de si, com sua impersonalidade soberba. Sacudiu os portões fechados, sacudia-os segurando a madeira áspera. O vigia apareceu espantado de não a ter visto. Correu com a rede até o elevador, sua alma batia-lhe no peito — o que sucedia? A piedade pelo cego era tão violenta como uma ânsia, mas o mundo lhe parecia seu, sujo, perecível, seu. Abriu a porta de casa. A sala era grande, quadrada, as maçanetas brilhavam limpas, os vidros da janela brilhavam, a lâmpada brilhava — que nova terra era essa? E por um instante a vida sadia que levara até agora pareceu-lhe um modo moralmente louco de viver. O menino que se aproximou correndo era um ser de pernas compridas e rosto igual ao seu, que corria e a abraçava. Apertou-o com força, com espanto. Ela amava o mundo, amava o que fora criado — amava com nojo. Abraçou o filho, quase a ponto de machucá-lo. [...] Não havia como fugir. Os dias que ela forjara haviam-se rompido na crosta e a água escapava. Estava diante da ostra. E não havia como não olhá-la. De que tinha vergonha? É que já não era mais piedade, não era só piedade: seu coração se enchera com a pior vontade de viver.


QUESTÃO 1  (Pref. Francisco Dumont/MG COTEC/UNIMONTES - 2016)

Assinale a alternativa INCORRETA.

A)A narrativa demonstra que a personagem Ana vê-se subitamente despertada pelo amor ao cego, único ser capaz de retirá-la da alienação da vida comum de dona de casa.
B) O conto representa um momento da vida de uma mãe e dona de casa, que suspende momentaneamente suas atividades cotidianas para viver uma possível metafísica do instante.
C) A imagem da rede de ovos que se parte e deixa escorrer a gema amarela metaforiza o despertar, ainda que passageiro, de uma mulher comum, que passa a ter uma visão mais consciente de seu papel social.
D)A epifania, característica comum na narrativa de Clarice Lispector, acontece quando a personagem vê o cego parado, mascando chicles, pois é a partir daí que ela começa a ter noção de si.


QUESTÃO 2 (Prf. Franc. Dumont/MG COTEC_UNIMONTES - 2016)

O conto “Amor”, de Clarice Lispector, possui todas as características apresentadas abaixo, EXCETO
A)O narrador afasta-se totalmente da personagem e da cena, deixando prevalecer a observação distanciada e a análise objetiva dos fatos relatados.
B) O olhar minucioso, a descrição atenta e a demonstração dos complexos sentimentos da personagem revelam relativa proximidade do narrador com os acontecimentos.
C) A personagem Ana identifica-se com as mulheres comuns de sua classe e situação, no entanto, ela vive um momento único de revelação e consciência, que pode ser traduzido como uma vontade inconsciente de libertação.
D)O cotidiano, a cena corriqueira e a personagem comum são artifícios usados pela autora para refletir sobre a vida, os papéis sociais e seus significados.


QUESTÃO 3 (Pref. Francisco Dumont-MG COTEC/UNIMONTES - 2016)

Sobre o texto de Clarice Lispector, é INCORRETO afirmar:
A)Trata-se de um conto, porque condensa personagens e ações, apresentando um conflito central.
B) A narrativa apresenta fluxo de consciência, pois as emoções da personagem fundem-se às reflexões da voz narrativa, dando maior ênfase ao mundo interior.
C) Trata-se de um conto, porque apresenta linguagem acessível e tema popular, adequando-se às exigências de um leitor contemporâneo.
D)As emoções da personagem, com suas contradições e descobertas, expressam a súbita consciência sobre sua vida e sua identidade.


QUESTÃO 4(Pref. Francisco Dumont/MG COTEC/UNIMONTES - 2016)

Sobre o título “Amor” do conto de Clarice Lispector, está INCORRETA a alternativa:
A)A autora apresenta uma visão desmistificadora e reflexiva sobre o amor, contrariando uma percepção romantizada e lírica do sentimento.
B) No texto, evidencia-se que o amor é um sentimento que pode ser despertado por contingências cotidianas, incorporando-se aos fatos corriqueiros da vida.
C) A consciência subitamente despertada na personagem propicia a ela uma experiência invulgar de reflexão, em que o amor se incorpora de forma complexa e ambígua.
D)O título representa uma ironia da autora sobre o sentimento amoroso, pois a personagem conclui que sua vida é monótona e sem sentido. 


QUESTÃO 5 (Pref. Francisco Dumont-MG UNIMONTES/2016)

Assinale a alternativa que apresenta a relação INCORRETA entre o excerto e o que ele expressa.
A) “Incapaz de se mover para apanhar suas compras, Ana se aprumava pálida. Uma expressão de rosto, há muito não usada, ressurgia-lhe com dificuldade, ainda incerta, incompreensível. O moleque dos jornais ria entregando-lhe o volume. Mas os ovos se haviam quebrado no embrulho de jornal. Gemas amarelas e viscosas pingavam entre os fios da rede.” — O trecho destaca o momento de revelação e autodescoberta vivenciado por Ana.
B) “Os filhos de Ana eram bons, uma coisa verdadeira e sumarenta. Cresciam, tomavam banho, exigiam para si, malcriados, instantes cada vez mais completos. A cozinha era enfim espaçosa, o fogão enguiçado dava estouros. O calor era forte no apartamento que estavam aos poucos pagando. Mas o vento batendo nas cortinas que ela mesma cortara lembrava-lhe que se quisesse podia parar e enxugar a testa, olhando o calmo horizonte. Ana dava a tudo, tranquilamente, sua mão pequena e forte, sua corrente de vida.” — O
trecho expressa o vazio existencial da personagem.
C) “A rede de tricô era áspera entre os dedos, não íntima como quando a tricotara. A rede perdera o sentido e estar num bonde era um fio partido; não sabia o que fazer com as compras no colo. E como uma estranha música, o mundo recomeçava ao redor. O mal estava feito.” — O trecho evidencia, metaforicamente, uma necessidade de libertação da personagem.
D) “Abriu a porta de casa. A sala era grande, quadrada, as maçanetas brilhavam limpas, os vidros da janela brilhavam, a lâmpada brilhava — que nova terra era essa? E por um instante a vida sadia que levara até agora pareceu-lhe um modo moralmente louco de viver. O menino que se aproximou correndo era um ser de pernas compridas e rosto igual ao seu, que corria e a abraçava. Apertou-o com força, com espanto.” — O trecho evidencia que a experiência vivida pela personagem desperta nova consciência sobre o que está a seu entorno.

Gabarito dos Exercícios sobre Clarice Lispector: conto “Amor”


1A 2A 3C 4D 5B


Obs. Conteúdo sugestivo sendo possível a existência de entendimentos diferentes. Leia os Termos de Uso

Compartilhe!

.

0 comentários:

Postar um comentário

Postagens relacionadas, sugeridas e anúncios
 
Top