RÁDIO AM VAI MIGRAR PARA FM

25/06/2013 15:45

            O tipo de programação já não distancia tanto a rádio AM da FM. Mas a qualidade do som... Aí é covardia. O som das rádios FM é limpo enquanto que das rádios AM, muitas vezes dentro da própria localidade em que é transmitido, sofre diversos tipos de interferências. Até de um simples liquidificador ligado em casa, a proximidade de um aparelho elétrico etc.

            Por isso, o rádio AM, que já foi a única fonte de entretenimento familiar e também de notícias, antes da criação e depois da popularização da televisão, perde ouvintes a cada dia e, junto com eles, vão os anunciantes.

            As rádios FM estão cada vez mais informativas e interativas. Muitas já aderiram ao antigo estilo AM, o que faz com que fique cada vez mais desproporcional a competição.

            Visando preservar a história do rádio, as emissoras e principalmente os profissionais que nelas trabalham, o governo vai autorizar a migração das rádios AM para o sistema FM, evitando o fechamento de muitas emissoras, principalmente pelo interior do Brasil.

            O pior problema enfrentado pelas emissoras AM é a qualidade do som. Há interferências que comprometem a qualidade. Quem nunca teve problema em sintonizar uma emissora AM quando começou um temporal ou chuva forte? Ou quando estava próximo de correntes elétricas e outras fontes? Isso vai acabar.

            De acordo com a conversa que a presidente Dilma Rousseff teve com o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, a migração poderá ser feita livremente, sem que seja necessário o processo de digitalização.

            A medida deve beneficiar cerca de 1700 emissoras de rádio em todo o Brasil. A reivindicação é antiga.

            O rádio AM foi o grande desbravador das comunicações brasileiras. Sua programação ao vivo, lançamento de cantores e cantoras, atores e atrizes, oportunidades para jovens talentos, ficará sempre na história.

            Até os anos 1970, o rádio AM manteve a sua força. Nessa época começaram a surgir as rádios em frequência modulada, as FM, que tinham um som limpo e muito superior às AMs. O perfil da programação era musical. Muita música, com os locutores apenas apresentando a sequência musical, informando a hora certa e mais nada.

            Aos poucos as FMs foram conquistando espaço, principalmente pela qualidade do áudio. Hoje o perfil não é tão diferente assim. Tem muito programa em FM com o perfil de rádio AM, o que mostra que não é o tipo de programação, com jornalismo, entrevistas, músicas, debates, esportes, que atrapalha o AM mas a qualidade da transmissão.

            Por isso, a migração é aguardada com expectativa e, para muitos, é a salvação do rádio do Brasil.

Voltar